CULTURA COM ESSÊNCIA

CULTURA COM ESSÊNCIA

A Supo Mungam lança "Custódia" um filme de Xavier Legrand que relata um drama tenso de muitas famílias !

A primeira sensação que sentimos é de estar diante de uma separação e o velho discurso de sempre, ou seja a guarda dos filhos. Mas na situação em que Mirian Benson (Léa Drucker) se encontra não é nada comum. Os filhos se recusam a dividir seus dias com o pai, principalmente o  menor Julien (Thomas Gioria). O clima é tão tenso que você começa a questionar se Julien não tem um dedo de  culpa nessa situação. Mas percebemos que sua irmã  Joséphine (Mathilde Auneveux) não suporta nem a ideia de ver o pai. O filme todo transmite uma tensão, os personagens são completamente presos a qualquer acontecimento num terror silencioso. Percebemos nitidamente  no aniversário de Joséphine, que ela  não consegue ficar totalmente em paz. Enquanto canta, não consegue tirar o olho da mãe que por sinal está fora do salão conversando com o ex-marido. Sua expressão de preocupação é tão explícita que faz você esperar por alguma desgraça. O filme não tem uma trilha sonora com aquele suspense a cada momento crítico. Isso faz você mais próximo da realidade. E o mais impactante é saber que muitas famílias vivem em circunstancias dramáticas como essa. Denis Ménochet como Antoine Besson está impecável e assustador.  Thomas Gioria no papel de Julien até que tenta sair das garras do pai violento mas... 



(Mirian Besson e o ex marido Antoine Besson diante  de uma drama tenso)



Sipnose

No centro da narrativa, temos a tríade Miriam (Léa Drucker), Antoine Besson (Denis Ménochet) e seu filho Julien (Thomas Gioria). Quando Miriam e Antoine se divorciam, ela busca a custódia exclusiva do garoto, para protegê-lo de um pai que afirma ser violento. Antoine defende-se argumentando que sua paternidade é desprezada. A juíza então decide a favor da guarda compartilhada. Numa progressão narrativa e tendo o cotidiano como pano de fundo, Legrand vai desconstruindo estereótipos, contrapondo imaginação e realidade. A tensão está presente do começo ao final. Na declaração do próprio Legrand, “o filme começa com a racionalidade das palavras e termina com um horror quase irreal. Foi uma decisão consciente. A quem não conhece de perto, essa violência parece incompreensível e inimaginável”. E é nessa dualidade que Legrand investe. Uma dualidade que faz de Custódia  um filme ímpar.  


  Assista o trailer





O filme foi muito aclamado e fez parte de vários festivais e prêmios.



Festival de Veneza - Melhor Direção e Melhor Primeiro Filme,Festival de Toronto, Festival de San Sebástian- Prêmio do Público para Filme Europeu, Festival de Saint Jean de Luz - Melhor Filme, Festival de Zurique - Menção Especial,Festival de Londres, Festival de Chicago, Mostra Internacional de Cinema de São Paulo - Prêmio da Crítica,Festival de Glasgow - Prêmio do Público e Festival de Miami - Melhor Roteiro.


Ficha Técnica:
Direção e Roteiro: Xavier Legrand
Produção: Alexandre Gavras
Título Original: Jusqu' à la garde
País: França
Ano: 2017
Duração: 90 minutos
Gênero: Drama
Roteiro: Xavier Legrand
Direção de Fotografia: Nathalie Durand
Montagem: Yorgos Lamprinos
Direção de Arte: Jérémie Sfez
Som: Julien Sicart, Vincent Verdoux e Julien Roig
Figurino: Laurence Forgue-Lockhart
Distribuição e agradecimentos: Supo Mungam Filmes

Elenco:
Denis Ménochet como Antoine
Léa Drucker como Miriam
Thomas Gioria como Julien
Mathilde Auneveux como Joséphine
Mathieu Saïkaly como Samuel
Florence Janas como Sylvia
Saadia Bentaïeb como A juíza
Sophie Pincemaille como Advogada de Miriam
Émilie Incerti-Formentini como Advogada de Antoine



Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.