CULTURA COM ESSÊNCIA

CULTURA COM ESSÊNCIA

Detroit em Rebelião! Mais uma aposta de Kathryn Bigelow.

Para quem adora histórias baseadas em fatos reais, o filme conta um dos maiores e mais intensos distúrbios raciais de Detroit em 1967 nos Estados unidos. Por cinco dias a cidade foi tomada por violência, saques, incêndios e tiroteios.O evento   marcou o destino da cidade. A história por traz da história.




De uma manifestação a quase destruição completa de uma cidade. Em cinco dias, no verão de 1967, Detroit se tornou uma zona de guerra. Uma operação policial em um bar sem planejamento originou uma rebelião civil, gerando uma devastadora revolta popular que tomou conta da cidade de Detroit ao longo de cinco dias em 1967. Uma cidade em um país absurdamente  conhecida por atos de discriminação racial e abuso de força policial.  O que resultou em uma batalha campal e deixou um saldo impressionante de  mortos, feridos, presos e inúmeros  prédios queimados. Mas narrativa principal do filme, não é sobre o motim e suas ocorrências e sim  no incidente do motel Algiers, no qual três policiais brancos Phillip Krauss (Will Poulter), Flynn (Ben O´Toole), Demens (Jack Reynor) e o segurança negro Melvin Dismukes (John Boyega)  teriam seguido ao local após denúncias de que tiros foram disparados do  quarto do hotel para as ruas. No local, os policiais espancaram oito rapazes negros e duas moças brancas até alguém entregar a arma usada.  No entanto, três do jovens negros foram assassinados a tiros e nenhum dos jovens foi preso e indiciado, além de nenhuma arma ter sido encontrada.




Direção de Kathryn Bigelow a mesma diretora Guerra ao Terror, vencedora do Oscar de melhor filme e A Hora Mais Escura, 5 indicações ao Oscar. Escrito por Mark Boal que já trabalha com Kathryn algum tempo. Lembrando de Caçadores de Emoção (Keanu Reeves e Patrick Swayze) de 1991 também faz parte do currículo  de Kathryn.  Bom, dá para  para perceber que ela  não está de brincadeira. Seus filmes são intensos e baseado a maioria baseados em  fatos reais. O filme já de início mostra pinturas e uma narração que aborda  o racismo nos Estados Unidos. Segregação racial sempre causou muito impacto e revolta na história em geral. Inúmeros casos de injustiça contra negros morreram ao longo  dos anos. Não vai ser nada diferente, e obviamente título chave neste filme.  Não espere  vários relatos sobre a rebelião, que a princípio parece ser. Na verdade a ideia é centralizada no acontecimento no Motel Algiers onde o segurança Dismukes, testemunha os assassinatos, mas  parece imparcial a situação caótica.  A violência convicta nas cenas engata todo o tempo. O terror psicológico e gritaria  acontece desnecessariamente, mas ninguém interrompe. Sim, causa revolta o que dá o ponto positivo pela história dentro do conceito do fato. Mas é basicamente isso e tenso. Se for assistir com a intenção de diversos relatos sobre   a rebelião esquece, mas  sobre esse trecho da história  é bem interessante, causando até um certo  desconforto. Afinal o que  aconteceu em Detroit ficou em Detroit.


Essência do Filme: 
Filmes sobre fatos reais, me fascinam. Kathryn Bigelow  é muito boa em relatar ao longo de sua carreira fatos marcantes. O que me impressiona e a intensidade que é transmitida de forma bem peculiar da autora.      









Ficha Técnica
Direção: Kathryn Bigelow
Escritor: Mark Boal
Elenco: John Boyega, Anthony Mackie, Algee Smith
Música: James Newton, Howard
Direção de Arte: Greg Berry, Jim Wallis

Agradecimentos: Imagem Filmes


Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.