CULTURA COM ESSÊNCIA

CULTURA COM ESSÊNCIA

Instituto Tomie Ohtake Exposições até 17 de Setembro.



Fica uma dica para quem for visitar o Instituto Tomie Ohtake. 

Desde 2014, o Instituto Tomie Ohtake dedica esta sala a mostras sobre a artista que lhe empresta seu nome. A intenção é ter sempre aberta uma oportunidade para que novos públicos entrem em contato com a obra da artista e, ao mesmo tempo, oferecer àqueles que já a conhecem novas abordagens sobre sua história e seu trabalho.
Cada exposição de longa duração que ocupa esta sala aborda um aspecto diferente da produção de Tomie Ohtake – e assuntos não faltam. Ao longo de suas mais de 6 décadas de trabalho, Tomie garantiu que seu trabalho constantemente surpreendesse os espectadores, seus colegas, os críticos e a ela mesma. Comprometida com a experimentação da cor, do gesto e dos materiais, estudou amplamente as formas e percorreu inúmeros processos criativos, sem se deixar cimentar.





Durante a abertura da mostra dos dez projetos selecionados ao 4º Prêmio de Arquitetura Instituto Tomie Ohtake AkzoNobel, dia 10 de agosto, no Instituto Tomie Ohtake, serão conhecidos os três vencedores desta edição, que recebeu 186 inscrições provenientes de 12 Estados brasileiros e Distrito Federal.  Entre os finalistas há obras localizadas em São Paulo, Santa Catarina, Tocantins, Distrito Federal, Rio Grande do Sul e Cidade do México:
 O júri, composto pelos arquitetos Carla Juaçaba, Gustavo Penna, Nabil Bonduki e Priscyla Gomes, anunciará os três projetos considerados de maior destaque cujos autores serão contemplados com viagens internacionais: Xangai/China, Helsinque/Finlândia e Havana/Cuba. Além da exposição, os dez projetos finalistas serão reunidos em publicação.

Uma mostra de filmes sobre arquitetura, projetada na fachada do edifício que abriga o Instituto Tomie Ohtake, faz parte da programação paralela ao Prêmio, assim como ações educativas para o público jovem que têm por objetivo promover uma discussão sobre a relação das pessoas com a arquitetura e o urbanismo nos espaços que habitam.

Para saber mais informações sobre o Prêmio acesse  http://premioarquitetura.institutotomieohtake.org.br

Geórgia Kyriakakis (Ilhéus, BA, 1961 - Vive e trabalha em São Paulo) é formada em Artes Plásticas pela FAAP, mestre e doutora em Artes pela USP. Leciona desde 1997 na Faculdade de Artes Plásticas da FAAP, onde também atua na pós-graduação. 
A série fotográfica “Expedição ao Deserto”, com 27 imagens, é resultado de experiências imersivas de Geórgia Kyriakakis em São Paulo. Neste projeto contemplado pelo ProAc, a artista visita e fotografa áreas movimentadas da cidade quando estão totalmente desertas em virtude de feriados, campeonatos esportivos, tensões políticas, climáticas, entre outras razões.  Suas expedições consistem em estar onde ninguém está ou não estar onde todos estão – tal como um desvio numa rota previsível ou num fluxo programado.
Para Kyriakakis esse movimento – que paradoxalmente encontra o isolamento em espaço público – é um deslocamento em direção a uma situação singular de tempo e espaço na qual a paisagem e as características da cidade são transformadas radicalmente. “As fotos, revelam o silêncio, a imobilidade e a inatividade que habitam o lugar como potência e possibilidade. Elas suscitam imagens arquetípicas de cidades vazias e abandonadas e criam um desajuste naquilo que julgamos familiar e cotidiano no reconhecimento da cidade”, completa.
A primeira expedição foi realizada em 21 de fevereiro de 2012, uma terça-feira de carnaval, no centro de São Paulo. Uma segunda série foi obtida na Zona Oeste de São Paulo, nas avenidas Dr. Arnaldo, Sumaré e Heitor Penteado, durante a abertura da Copa do Mundo no Brasil, em 12 de junho de 2014. A terceira expedição foi realizada no Bom Retiro, no 1o dia de 2017.
As 27 imagens são compostas em três grupos de nove nos quais, impressas nos vidros que emolduram cada conjunto, estão recortadas palavras, com jato d’água de alta pressão, formando a frase: “estar onde ninguém está” e “não estar onde todos estão”. A interação da linguagem verbal com os materiais usados nos trabalhos é um procedimento recorrente na trajetória da artista para explorar as relações entre a virtualidade da imagem e a concretude do mundo.
Instituto Tomie OhtakeAv. Brigadeiro Faria Lima, 201
(Entrada pela R. Coropés, 88) Pinheiros - São Paulo- SP 
CEP 05426-100
A 800m do Metrô Faria Lima (Linha Amarela)

Telefone
11 2245 1900
Horário de funcionamentoTerça a domingo das 11h às 20h
Entrada gratuita*Algumas exposições têm entrada paga. Consulte a programação para mais informações.

O Instituto Tomie Ohtake possui elevadores para acesso aos visitantes com mobilidade reduzida.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.